domingo, 14 de março de 2010

Um fim de semana com o Senhor Deus.

Se calhar alguns de vocês estão fartos de ler coisas acerca de Deus neste blog. Pronto, cada um sabe de si, e pode sair já desta página da internet se assim o desejar. Este post é sobre Deus. Sem mais rodeios: este fim de semana fui a um retiro para jovens na Serra da Arrábida. Para quem não sabe, um retiro é um encontro, normalmente no meio de um ambiente natural, que pode durar de um a vários dias, e no qual - pelo menos neste contexto - tentamos descobrimo-nos, aos outros, e a Deus. Esse processo de descoberta, de reencontro, de parar para meditar na pergunta "Quem sou eu o que tenho feito no mundo lá fora?", ao mesmo tempo que medimos o peso das nossas acções, se somos úteis de alguma forma para os outros; tudo isto com a ajuda de Deus. Temos momentos de discussão de ideias, de silêncio, de adoração, de música, de alegria, de rir até cair para o lado, de comer, de dormir, etc. E uma grande vantagem: somos todos jovens. Todos na mesma fase da vida, todos a sentirem a mesma fé, todos jovens normalíssimos com a peculiaridade (que pena que a peculiaridade não seja o contrário) de acreditarmos em Deus, e professarmos a fé católica. É importante parar e pensar, reflectirmos, quem somos. Dividirmos o nosso pensamento em três planos: eu, os outros, e Deus. Se respeitarmos e compreendermos cada uma dessas três dimensões, então é um primeiro grande passo para uma pessoa ser feliz.

Tinha tanta coisa mais para falar mas tudo voou para longe. Adorei. Um experiência muito interessante: muita gente tem a ideia que a Igreja é para as pessoas idosas, para a avó que reza todos s dias o terço pela Rádio Renascensa. Ou que Igreja é antiquada, algo do passado, demasiado conservadora e pouco aberta às novas gerações. Quem diz isso deixa-se influenciar pelos media, e nitidamente não consegue, ou não está interessado, em descobrir a fé. A Igreja é viva, e é jovem. Quer acreditem quer não.

É importante parar de vez em quando para nos voltarmos a encontrar. Amo-te, Senhor Deus.

2 comentários:

Patrícia disse...

Eu tenho uma ideia muito própria de ver Deus. O meu Deus não tem forma humana, o meu Deus não vê e não conhece tudo mas interefe de forma muito positiva (ou não) na vida das pessoas. Para mim Deus é a força de vontade, é nunca deixar de acreditar, é amar incondicionalmente aqueles que nos fazem felizes. Para mim Deus,é um sentimento.

Beijinhos Tiago=)
Patrícia

p a t r í c i a * disse...

Com posts como este fico a pensar que devo reforçar a minha fé.

 

Crónicas do Tempo que Passa © 2008. Chaotic Soul :: Converted by Randomness